Thursday, January 11, 2007

Em toques de riso dancei-te na minha fronteira
Na alegria de ter sido descoberto
Por me ver nos teus olhos

Tão bom levantar-me até mim para estar contigo
Feliz por descobrir que já sabia
Que em ti me sou

Abraças o quarto dos brinquedos da minha alma
Onde o menino triste se lembra da cor
Por lhe soprares o pó

Com lágrimas de sol aguaste o gelo do outro inverno
Bebo a esperança de não ter mais sede
Ao dizeres a fonte minha

Se mais não vir o rosto que te veste agora
Minha deusa de mim próprio
Que me veja com teus olhos.

3 comments:

Ana said...

Todos os teus poemas são únicos e verdadeiros... transpiram olhares sobre o mundo, que são intensos e inebriantes!

Bj.

Ana

Clara said...

Estes três últimos poemas foram escritos sobre a tristeza e recordações de um passado longiquo da época do esquecer.

Menino criança
de lágrimas nos olhos tristes
com de ar reguila e maroto
para disfarçar a vontade de um mimo.
Sinto uma vontade imensa
de o apertar bem juntinho ao meu peito e enchê-lo de beijos inocentes.
Amá-lo para todo o sempre.

A tua feiticeira

Anonymous said...

implesmente..........amei